Páginas

sábado, 10 de dezembro de 2011

10 discos ao vivo que mudaram minha vida

Uma pessoa que não tem a música como algo importante, quase que essencial, na vida nunca vai entender o título desse post. Mas os que tem, sabem do que eu tô dizendo. Eu adoro discos ao vivo. Como eu já disse outras vezes, eu sou a favor de que todas as minhas bandas favoritas lancem um disco ao vivo após um disco de estúdio registrando a turnê do álbum, coisa que o Iron Maiden e o Rush vem fazendo de dez anos pra cá.
Só enfatizando: não estou fazendo aqui uma lista dos "melhores discos ao vivo da história" (embora a maioria aqui postada entraria numa lista dessas feita por mim), e sim uma lista dos álbuns ao vivo que, de uma maneira ou outra, me fizeram subir um level no jogo da vida (risos).


#10
- "Vivo", Ratos de Porão


Peguei emprestado de um amigo esse disco quando eu tinha uns 12 ou 13 anos, a velocidade das canções, e ao mesmo tempo a melodia vocal implantada nelas, me conquistou logo de cara e o Ratos se tornou uma das minhas bandas favoritas desde então.



#9
- "Live Era 87-93", Guns n' Roses


Esse álbum saiu em 1999 e na época eu não tinha acesso à internet, e a única maneira que eu tinha de conhecer mais a fundo a carreira de uma banda era esperar um milagre daqueles "especiais de uma hora" que rolava nas rádios rock, pegar emprestado discos com alguém, o que era complicado nesse caso porque meus amigos aqui de Caieiras passam longe desse tipo de rock, ou conseguir os discos ao vivo que, teoricamente, vem com as 'melhores' canções da banda. Foi esse o caso aqui, um disco duplo ao vivo contendo as grandes canções do G'n'R... Eu já conhecia pelos vídeos ao vivo no Japão, que eu alugava numa locadora, mas ter isso em cd foi de uma importância enorme pra mim. Me lembro que comprei no mesmo dia que o S&M, do Metallica. Peguei os dois na mesma hora.



#8
- "Delicate Sound of Thunder", Pink Floyd


Esse disco eu alugava na mesma locadora citada acima, e foi aqui que eu conheci "Time", "Another Brick in the Wall", "Comfortably Numb", "Wish You Were Here" e etc... foi meu primeiro contato de fato com o Pink Floyd. Tipo, a primeira vez que ouvi a banda mesmo. Aluguei o cd na curiosidade total.



#7
- "Live Cannibalism", Cannibal Corpse


Ter praticamente todos os hinos do Cannibal Corpse registrados num único cd era tudo que eu queria naquela época. Eu havia conhecido o Cannibal um ou dois anos antes, através do "Vile", que eu tenho desde então. Fui pro show aqui de São Paulo, no Hangar 110, em 2000 com a molecada (hoje tudo trintão os caras, rs), e pirei demais, o disco saiu poucos meses depois disso e foi a coroação daquele show, daquela turnê e daqueles hinos todos.



#6
- "Reunion", Black Sabbath


 No começo de 1999 tudo que eu queria eram dois cds: "Reunion" e "Pyscho Circus", do Kiss. Na época eu estava começando a acompanhar esse mundo mais de perto, através das revistas especializadas e claro que a reunião das duas bandas clássicas eram pautas de destaque. Meu padrinho um dia veio em casa e me deu 40 reais, na segunda-feira eu fui tipo umas 08h da manhã na porta da loja de cds aqui de Caieiras, tive que esperar abrir, pra obter a minha cópia do "Reunion". Eu já conhecia alguns dos clássicos pelas rádios ("Paranoid" e etc), e alguns outros por estarem também no "Live Evil", que eu tinha em vinil! Alguns eu escutei pela primeira vez aqui nesse álbum, como "Spiral Architect" ou "Dirty Women". O único ponto negativo que eu lembro foi a minha decepção de ao vivo eles não terem feito aquela parte final pesadaça de "Sabbath Bloody Sabbath". Também foi nesse disco que eu entendi do que se tratava o termo "overdub", rs.



#5
- "A Show of Hands", Rush


Foi meu primeiro contato com o Rush ao vivo, e foi através do VHS desse show, que também foi lançado em disco. Foi emocionante ter contato pela primeira ao vivo com o Rush nesse show, porque era a fase dos teclados, então o Geddy dividia e bem o tempo entre baixo e teclado, o que me chamou muita atenção na época. Graças a esse disco/vídeo, canções como "The Big Money", "Marathon", "Manhattan Project" e "Red Sector A" foram as minhas favoritas por um bom tempo.



#4
"Official Live", Pantera


Peguei emprestado do mesmo amigo que me emprestava o "Vivo", do Ratos de Porão, escutei um dia e no dia seguinte eu fui na galeria comprar o meu. Foi a primeira vez que eu fui pra galeria sozinho, eu nunca esqueço, haha. A versão de "Cemetery Gates" é espetacular e eu nunca consegui achar o próprio Pantera fazendo uma tão boa. Esse disco foi "culpado" pelo Pantera ter se tornado uma das minhas bandas do coração e me lembro que poucos meses depois eu já tinha os outros quatro álbuns de estúdio, e uns dois anos depois eu comprei o "Reinventing the Steel" na semana de lançamento. Nessa época eu andava na rua "fardado" de Pantera, com uma camiseta da banda pra cada dia da semana, boné, patch na mochila e etc. Pantera foi a minha banda favorita naquela época, de longe.



#3
"Alívio Imediato", Engenheiros do Hawaii


Mais um disco que me fez virar fã de uma banda que se tornou uma das minhas bandas do coração. Eu sempre fuçava nos discos do meu irmão quando ele ia trabalhar, e esse era um dos que eu mais ouvia. Era diferente do restante das bandas de rock nacional, sempre foi. Eu gostava de tudo, da capa, dos nomes das músicas ("A Revolta dos Dândis? WTF é um dândi??", eu pensava), o som do baixo já me chamava atenção e as letras também. "Nau à Deriva" é a minha canção favorita do Engenheiros até hoje.



#2
"Live After Death", Iron Maiden


Na mesma locadora que eu pegava o "Delicate Sound of Thunder", eu pegava esse aqui... e esse aqui foi pela capa. E eu pirei demais. Gravei em uma fita K7 e ia ouvindo no meu walkman (criançada, perguntem aos pais o que era isso) todo dia até a escola. Como o trajeto da minha casa até a escola durava uns 15/20 minutos andando, só dava tempo de eu escutar as quatro primeiras: "Aces High", "2 Minutes to Midnight", "The Trooper" e "Revelations", então essas foram as que mais me marcaram. Depois de uma semana eu sabia cada detalhe de cada solo de guitarra dessas canções. Mais um álbum ao vivo que me fez virar fã de uma banda que hoje é do coração.



#1
"Alchemy Live", Dire Straits


Meu irmão tinha isso em vinil e um dia eu vi o VHS desse disco na velha locadora. Eu aluguei mais pra fazer uma média com ele e tal, e acabei viciando. Eu alugava todo fim de semana. Ver um guitarrista solar daquele jeito, sem palhetas, com aquele timbre e tudo mais, me encantou definitivamente. Para mim é até hoje o melhor disco ao vivo da história, e as versões aqui são definitivas e melhores que as originais. Quem gosta dos solos de "Sultans of Swing", confira a versão desse disco que tem mais de dez minutos.

Nenhum comentário: