Páginas

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Top 5 - Iron Maiden

A maior banda de heavy metal da história (?).
Esse lance de disco favorito é uma coisa que comigo muda, às vezes bastante, às vezes pouco, mas radicalmente (Virtual XI foi um dos meus cinco favoritos por MUITO tempo, e eu adoro o disco até hoje). Depende da banda. Do próprio Iron Maiden mesmo, uns quatro álbuns já foram meus favoritos.
Ps. Achei desnecessário comentar sobre as capas, porque acho todas maravilhosas.
Vamos lá...


#5
- Killers (1981)





Ainda com Paul Di'Anno no vocal (o segundo e último com o vocalista), Killers apresentou clássicos como "Wrathchild", "Murders in the Rue Morgue" e a faixa-título, usualmente as mais lembradas. A favorita deste que vos escreve é "Purgatory". A introdução instrumental do álbum, "The Ides of March", é sensacional! "Prodigal Son" mostrava já a veia mais calma da banda em uma pseudo-balada muito bonita. O som do álbum em geral é aquele heavy metal tradicional que o Iron Maiden foi o principal "moldador".


----------------------------------------------------------------------------------------------


#4
- Somewhere In Time (1986)





Lançado em uma época que a banda passava por uma pequena crise pessoal (PESSOAL, porque comercial foi um dos melhores momentos da banda) com Bruce Dickinson querendo fazer uma coisa e o resto da banda outra (tanto que o vocalista não assina nenhuma das canções do disco), Somewhere In Time contou com a "inovação" do uso de sintetizadores, o que deu uma sonoridade diferente ao comum da banda. A figura do guitarrista Adrian Smith apareceu bastante aqui, foi ele o compositor do maior hit do álbum: "Wasted Yearts", além de "Sea of Madness" e a lenta e cativante "Stranger in a Strange Land". Dou destaque também para "Deja Vu", com seu refrão pegajoso e "Caught Somewhere in Time". A faixa "Heaven Can Wait", composição do líder Steve Harris, é uma das mais aclamadas até hoje e vez ou outra é incluída no set list com uma grande festa para os fãs.


----------------------------------------------------------------------------------------------


#3
- Seventh Son of A Seventh Son (1988)





Conceitual, com letras tratando de temas como misticismo, bem x mal, profetizações e vida após morte, Seventh Son... foi o último disco com o guitarrista Adrian Smith, antes do seu retorno à banda em 1999. A dupla Smith/Dickinson, responsável por grandes composições em toda a história do Iron Maiden retornaria anos mais tarde na carreira solo de Bruce e no retorno dos dois ao Maiden, mas deixaram aqui nesse álbum músicas marcantes como "Moonchild", "Can I Play With Madness", que tem um refrão marcante, e "The Evil That Men Do" (as duas últimas com a participação do chefão Harris também), uma das melhores canções da história do Iron Maiden.. Os meus outros destaques para o disco são três canções assinadas por Steve Harris sozinho: a lenta "Infinite Dreams", "The Clairvoyant" e a faixa-título.


----------------------------------------------------------------------------------------------


#2
- Piece of Mind (1983)





O segundo álbum da banda com Bruce Dickinson no vocal, o primeiro com o baterista Nicko McBrain. O começo da formação mais clássica da banda (se é que a atual, com seis membros, já não superou aquela). Piece of Mind tem, talvez, as melhores "cinco primeiras" canções de qualquer disco do Iron Maiden em sequência: o cartão de visitas de McBrain abre o disco com "Where Eagles Dare", com vários tempos quebrados, a clássica "Revelations", com passagens rápidas e lentas, com vocal emocionante de Bruce segue o disco, a canção escolhida para ser o single, "Flight of Icarus", é a terceira e o destaque é para os vocais de Bruce novamente, em uma canção pesada, mas com ritmo lento; "Die With Your Boots On" é uma das favoritas dos fãs entre aquelas canções que são esquecidas pela banda (apesar de terem tocado ela em algumas tours comemorativas), e pra fechar o bolo vem "The Trooper", que é a canção que não pode ficar de fora. Uns falam em "The Number of The Beast", alguns mais novos falam em "Fear of the Dark". Mas para mim é "The Trooper" (o melhor tema de guerra da história do heavy metal - ao lado de "War Pigs"?) a canção-símbolo da banda. Não consigo destacar somente uma do restante do álbum, portanto fecham o disco: "Still Life", "Quest for Fire", "Sun and Steel" e "To Tame a Land".


----------------------------------------------------------------------------------------------


#1
- Brave New World (2000)





Talvez surpreenda as pessoas quando eu digo isso. Ou talvez não. Brave New World foi muito bem aceito na discografia da banda desde que foi lançado. Talvez mês que vem ele já não seja mais o meu favorito. Mas já é o meu favorito há um ano ou mais... Talvez porque foi o começo da fase atual  da banda, que eu gosto muito. Essa coisa toda de heavy metal tradicional com passagens progressivas, canções longas. Eu adoro. Justiça seja feita, de um modo concreto isso começou na fase Blaze, com uma ou outra canção nos discos anteriores, ainda com Bruce.
"The Wicker Man" (compositores: Dickinson/Smith/Harris, simbólico até nisso), a faixa de abertura, mostrou ao mundo que o Iron Maiden tinha voltado ao lugar de onde nunca deveria ter saído: ao topo de maior banda de heavy metal. "Ghost of the Navigator" trouxe aquela cavalgada típica e um refrão sensacional, "Brave New World" se tornou das favoritas dos fãs e tem melodias incríveis. "Blood Brothers" é uma das mais bonitas canções na discografia da banda, com uma letra emocionante de Steve Harris, interpretada magistralmente por Bruce Dickinson, e destaque também para as levadas de Nicko McBrain. "The Mercenary" é outra que lembra o Maiden dos velhos tempos, destaque para sua paradinha no meio. Os meus outros destaques, que são as minhas prediletas, são as duas últimas músicas do álbum: "Out of the Silent Planet", um heavy metal tradicional com refrão pegajoso e que vai crescendo, se transformando num dos momentos mais inspirados do álbum; e "The Thin Line Between Love and Hate", longa e lenta, por vezes arrastada, o vocal dobrado de Bruce dá todo um clima à canção; em dado momento, quase ao final,  Bruce canta apenas sobre melodias de guitarra, seguida de solos e riffs emocionantes e fecha o disco com chave de ouro.

2 comentários:

M.V "Shogum" disse...

Somewhere In Time. O meu queridinho entre os álbuns da donzela \o/

(Engraçado detesto "heaven can wait", acredito que seja por culpa das promoções da rádio cidade em que sempre um bando de playboy subia ao palco pra cantar essa musica)

Pergunta: COMO NÃO TEM POWERSLAVE NESSA LISTA, Frodo????

oceaga disse...

kkkkkkkk, pô, os quatro primeiros da lista eu considero intocáveis ali... o Powerslave divide com o Killers, Iron Maiden e The Number of the Beast a disputa pela quinta posição ali rsrs