Páginas

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Fedor - a queda do mito?

Há cerca de dois ou três anos uma questão vem sendo feita para os amantes do MMA: quem é o maior da história ou o melhor lutador, entre todos os pesos, do mundo?
Uma boa parte responde Fedor Emelianenko, e uma outra boa parte, praticamente igual, responde Anderson Silva.
Provavelmente após os dois mais recentes fins-de-semana, em que no primeiro Anderson nocauteou Vítor Belfort de forma espetacular, e no segundo Fedor perdeu sendo dominado pelo brasileiro Antonio Pezão Silva, que talvez não era nem top 10 do mundo nos pesos-pesados (agora passou a ser), a maioria dos fãs dirão que Anderson Silva é o melhor pound-for-pound do momento - e da história.

Fedor Emelianenko x Anderson Silva

- Fedor Emelianenko: ficou dez anos invicto até perder para Fabrício Werdum ano passado. Antes disso só tinha perdido uma luta numa regra confusa e que hoje em dia não seria nem considerado derrota. Nesses dez anos venceu monstros como Minotauro (duas vezes), Cro Cop, Heath Herring, Babalu, Andrei Arlovski, Tim Sylvia, Kevin Randleman, Mark Coleman e Ricardo Arona. Tirou o cinturão dos pesos-pesados do Pride das mãos do Minotauro, e nunca mais perdeu a cinta pra ninguém.

- Anderson Silva: antes de lutar no UFC tinha um bom cartel de resultados, porém poucas lutas de expressão. Seus momentos mais lembrados eram a finalização relâmpago com uma chave-de-joelho que ele tomou no Pride, e quando entrou dançando Michael Jackson em outra luta do Pride. Antes de ir pro UFC foi campeão do Shooto e do Cage Rage. Porém, nem no Pride Anderson conseguiu notoriedade. Anderson diz que pensou até em parar, não fosse o amigo Minotauro que "o adotou" e o levou para treinar em seu time. Após defender três vezes, com sucesso, seu cinturão no Cage Rage, o UFC resolveu apostar em Anderson. Estreou com um nocaute em 50 segundos no UFC, o que rendeu a disputa do cinturão já na sua segunda luta no evento. De lá pra cá já são 13 vitórias consecutivas no UFC, contabilizando vitórias sobre nomes como Rich Franklin (duas vezes), Dan Henderson, Forrest Griffin e Vítor Belfort, além de uma invencibilidade na carreira que dura desde janeiro de 2006.

Tanto Fedor como Anderson ficaram marcados no passado recente por duas finalizaçõe que abalaram as estruturas do MMA: Fedor perdeu sua invencilidade de dez anos em um triângulo para Fabrício Werdum, e Anderson, com a costela trincada, foi castigado durante quatro rounds, para no quinto round, também com um triângulo, finalizar o americano Chael Sonnen.

A queda do mito?

Na minha opinião Fedor começou a sofrer com a diferença de peso para os pesos pesados atuais. Na época em que Fedor, Minotauro e Cro Cop eram os três tops do peso-pesado, eles lutavam com cerca de 105kg.... Hoje em dia, quase nenhum peso-pesado, além deles três, lutam com esse peso. A maioria bate 120kg na pesagem e vai para a luta com 130kg, que era o caso do Antonio Pezão na luta contra o Fedor. Fedor estava com 104kg. Fedor sofreu no ground 'n' pound (quando no chão um lutador fica por cima desferindo golpes no adversário). Fedor estava com 30kg a mais em cima dele. Isso é desculpa? Não completamente... Fedor já lutou contra caras até mais pesados, porém eram freaks. Ou seja, lutadores que só tinham tamanho, não tinham a técnica que o Pezão tem, por exemplo.
Fedor, Minotauro e Cro Cop, três ícones em decadência, precisam entender que hoje em dia não é vantagem lutar com 105kg contra os caras com 120kg, no mínimo. O único com uma possibilidade maior de se salvar numa situação de ground 'n' pound é o Minotauro, porque dos três é o único que tem jiu-jitsu top, e a grande vantagem do jiu-jiteiro no MMA é saber se safar quando está por baixo de alguém mais pesado.
Fedor ainda mostrou muita garra, porque fosse outro em seu lugar, o juíz teria interrompido a luta por nocaute técnico. Fedor ficou os cinco minutos do round por baixo, não conseguiu inverter a posição, e usou a técnica de enganar o adversário. Quando Pezão estava batendo muito com socos, Fedor rolava e ficava de costas, aí Pezão tentava encaixar um mata-leão. Quando tava quase encaixando, Fedor voltava a ficar de barriga pra cima... e assim foi por cinco rounds. Mérito pro Fedor, e aprendizado pro Pézão que não pode deixar o adversário que está dominado por baixo se movimentar desse jeito.
O problema desse tipo de ground 'n' pound que o Fedor sofreu é que ele não nocauteia, mas machuca. O round terminou, a luta estava 1x1 então, já que Fedor havia vencido o primeiro round. Mas os médicos decidiram que não haveria mais luta devido ao estado do olho de Fedor.

A imagem é chocante partindo do princípio que nunca vimos Fedor assim, o máximo de contusão desse tipo que Fedor sofreu foi quando ele VENCEU a luta contra o Cro Cop, em que ficou assim:


O segundo problema que atrapalha Fedor e é um complemento da primeiro que é o peso, é sua altura e envergadura. Um peso-pesado comum hoje em dia, além dos 120kg, tem média de 1,88 a 1,91 de altura, Fedor tem 1.83. Fedor é mais baixo que, por exemplo, o campeão dos pesos-MÉDIOS (duas categorias abaixo da pesados) Anderson Silva, que tem altura de peso-pesado. Fedor é mais baixo que todos os pesos-pesados tops e que todos os pesos meio-pesados tops. Sendo mais baixo, tem menos envergadura. Hoje em dia se acontece uma luta como Fedor x Brock Lesnar, vai parecer que são dois lutadores separados por duas categorias de peso.
O terceiro problema, na minha visão, é a falta de wrestling do russo. Hoje em dia o MMA é muito ditado pelo wrestling, após o domínio monetário americano no esporte, que fez com que mais atletas do wrestling americano migrassem para o MMA. Há lutadores de MMA hoje extremamente burocráticos, como John Fitch, que usam o seu excelente wrestling para passar uma luta inteiro dando quedas e dominando o adversário todos os rounds no ground 'n' pound, sem o poder de nocautear.
Talvez os lutadores da época do Pride precisem se acostumar com isso. Nos tempos de Pride era tudo mais agressivo, não tinha lutador (nem mesmos os wrestlers que tinham no Pride) que lutavam somente para derrubar e passar três rounds em cima do adversário e vencer por pontos dos juízes. Os lutadores entravam pra nocautear ou finalizar. Tinha muito mais movimentação na luta de solo.
O próprio ground 'n' pound foi uma coisa que os wrestlers trouxeram para o MMA e no início era para acabar com a luta mesmo. Considerado o inventor disso, Mark Coleman usava o ground 'n' pound para nocautear os adversários. Após o fim do Pride, o groun 'n' pound virou sinônimo de amarração. Quando o John Fitch luta, já bate aquele sentimento de: lá vem três rounds chatos com esse cara por cima do adversário fraco sem conseguir dar um soco sequer que nocauteie o fracote que está por baixo. Só pra terem uma idéia, as últimas oito lutas dele terminaram em decisão dos juízes, incluindo a derrota para o St. Pierre que fez com ele o que ele faz com os adversários: amarrou para vencer.
É por isso que eu falo: hoje em dia, luta de wrestler x wrestler tende a ser chata. A não ser quando um dos dois se acha mais fraco que o outro no wrestling e resolve lutar na trocação em pé. Exemplos disse não faltam: Shane Carwin x Brock Lesnar. Brock disse antes da luta: "se Shane quiser lutar wrestling comigo nessa luta, então vai ser como eu leva-lo para a escola". Shane parece que acreditou nisso e apostou na trocalçao, onde triturou Brock no primeiro round. No segundo round, porém, cansado, foi facilmente quedado por Brock (provando sua inferioridade no wrestling) e finalizado logo depois.
Na época do Pride, o wrestling pouco importava. Naquela época o lutador derrubava e era derrubado a torto e a direito, o que importava pros juízes era a movimentação e a agressividade da luta em pé e no chão. Como a luta ia pro chão pouco importava. Hoje em dia é diferente, os juízes americanos dão valor demais ao wrestling. Você pode dominar um round todo na luta em pé, mas se o teu adversário te derrubar pelo menos duas vezes, é MUITO provável que ele ganhe o round. Os lutadores do Pride demoraram a perceber, ou se preparar para isso.
A maneira com que Fedor foi derrubado no início do segundo round mostrou isso.

É por isso que dá um certo prazer quando vejo um wrestler "se ferrando" no MMA, como Chael Sonnen, que passou quatro rounds e meio em cima do Anderson Silva no ground 'n' pound e o único sangue que saiu na luta foi do próprio Chael com as cotoveladas que Anderson desferia mesmo estando por baixo... ou como Randy Couture que não arrumou nada contra Minotauro, seja em pé ou no chão. Além de vários outros exemplos.

Fedor disse após a derrota (segunda consecutiva após os dez anos de invencibilidade) que talvez seja hora de parar. Eu ainda não sei o que pensar sobre isso. Tem horas que eu penso que talvez seja, assim como talvez seja hora pro Minotauro e pro Cro Cop também. Mas quando eu penso no nível dos dois lutadores que Fedor perdeu recentemente, eu acho que se o Fedor treinar com uma coisa em mente: quedas, defesa de quedas e chão defensivo, ele nocauteia tanto o Fabrício quanto o Pezão numa revanche. Já para Minotauro e Cro Cop a situação é mais complicada, os dois estão no UFC onde estão os tops dos pesos-pesados hoje em dia.
O que eu gostaria mesmo de ver antes dos três se aposentarem seriam as revanches entre eles: Fedor dando revanche a Minotauro e Cro Cop, e Minotauro dando revanche ao Cro Cop.
Eu acredito que tanto Minotauro e Cro Cop estão a uma ou duas derrotas da demissão.
Minotauro vem de derrota-vitória-derrota. Acredito que mais uma derrota o deixe em problemas. Cro Cop vem de vitória-vitória-derrota... e vai pegar na próxima luta um jovem em ascenção, com gana de vitória sobre um mito.
Quem sabe, talvez, o Strikeforce não esteja só esperando essas "demissões" para oferecer ao Fedor algumas revanches épicas que não tivemos na época do Pride?

Nenhum comentário: