Páginas

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Grande Neil Peart!

Lendo a biografia do Rush, me deparei com esse trecho interessantíssimo, que começou sobre o tema da música "Anthem", do segundo álbum do Rush, Fly By Night, de 1975:


A música foi inspirada por um romance de mesmo nome da mencionada anteriormente Ayn Rand, uma escritora que se estabeleceu primeiro nos anos trinta e que era lida extensivamente por Peart. ‘Anthem’, publicado em 1938, permanece sendo o livro mais conhecido dela. Rand, nascida em Petrogrado, Rússia – que mais tarde se tornaria Leningrado depois que a revolucionária Russa emigrou para os Estados Unidos onde ela construiu uma carreira como dramaturga, romancista e escritora de filmes. Suas visões pronunciadas de extrema direita eram presumidamente uma reação vigorosa ao que ela tinha visto acontecer a sua Rússia. Seu romance ‘Anthem’ se passa num estado totalitário situado numa cidade sitiada. Os governantes dessa sociedade em particular haviam declarado que a personalidade deveria ser não existente, não deveria haver nenhuma individualidade e nenhum direito. Esse credo de anti-personalidade se estende até mesmo a proibição da palavra ‘Eu’. No entanto, dois rebeldes redescobrem a individualidade e escapam. O próprio Peart tem grande crença na individualidade. Ele afirmou repetidamente no passado que ele não acredita numa sociedade completamente igualitária porque é claramente óbvio que as pessoas não são iguais. É essa fé substanciada e firme em suas próprias idéias, inflexíveis ao máximo que colocaram Peart no centro da controvérsia mais de uma vez. Mas ele permanece desafiador e sem arrependimento. Ele me disse uma vez com fervor: “Eu não sou um fascista. Eu não sou algum extremista. Sim, eu sou um capitalista e eu acredito em independência – mas não sem se preocupar com outras pessoas. Na verdade, eu tô cansado de falar sobre isso. Pense o que quiser sobre o assunto. Você conhece a banda o suficiente pra saber o certo.”


Fonte: Castle of Rush; Trecho da Biografia "Rush", por Brian Ferrigan.

Nenhum comentário: